Após chuvas, Orlando Morando anuncia pacote de medidas

Após as graves ocorrências causadas pela chuva intensa que atingiu toda a região metropolitana entre a noite deste domingo (10/03) e a manhã da última segunda-feira (11/03), o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando, apresentou em coletiva de imprensa o decreto que declara situação de calamidade pública no município, além de um pacote de 14 medidas que visam mitigar os danos causados à cidade e às famílias atingidas pela tempestade. A medida estabelece mobilização total no trabalho de recuperação da cidade até o final desta semana.

Para isso, estão previstas ações de manutenção da cidade, além de mecanismos de suporte aos munícipes, como disponibilização de vale-refeição, vale-transporte gratuito por 15 dias e colchões novos para as famílias atingidas, além de acordo junto à Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) para uso gratuito da água fornecida pela concessionária por 30 dias, como forma de ajudar na limpeza das casas e entornos.

Também está contida no plano de ação a disponibilização de alojamentos para as famílias desabrigadas. Serão 70 vagas no abrigo da Secretaria de Assistência Social, localizada no Centro, e mais 100 vagas em hotéis da cidade. Além disso, as residências interditadas ou mapeadas pela Defesa Civil serão isentadas do IPTU de 2019. Já os que perderam a casa serão incluídos no programa de Bolsa Aluguel da secretaria de Habitação e posteriormente em programas habitacionais da cidade.

O plano anunciado inclui ainda uma força-tarefa do Centro de Controle de Zoonoese (CCZ) para reforçar a necessidade da imunização contra doenças que possuem a chuva como principal vetor de contaminação e em ações de desratização e dedetização nas áreas mais afetadas. Para garantir a segurança dos moradores, haverá reforço 24h da Guarda Civil Municipal (GCM) em áreas estratégicas do município.

Outra ação prevista é a articulação junto ao Ministério da Integração Nacional para que os moradores impactados possam solicitar o Fundo de Garantia (FGTS). A medida está amparada na lei 5113/2004, que permite esta requisição em casos de calamidade pública. Também está sendo implementada uma bolsa-cobertura para indenizações aos atingidos, seguindo critérios pré-estabelecidos. As escolas municipais também passarão a ser pontos de recebimento de doações, como alimentos e produtos de limpeza para encaminhamento aos afetados.

Deixe uma resposta

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: