Doria classifica como ‘infeliz’ fala de Bolsonaro sobre pai de presidente da OAB

Sao Paulo’s governors-elect Joao Doria (L) chats with Brazil’s President-elect Jair Bolsonaro a meeting with governors-elect in Brasilia, Brazil November 14, 2018. REUTERS/Adriano Machado

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), reagiu às declarações dadas hoje pelo presidente Jair Bolsonaro, sobre o pai do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, desaparecido durante a ditadura militar.

“Sou filho de um deputado cassado pela ditadura, que foi para o exílio e perdeu quase tudo durante esse período. Inaceitável. Foi uma declaração infeliz do presidente Bolsonaro”, afirmou Doria durante coletiva de apresentação de um investimento de R$ 7 bilhões feito pela Bracell para expansão de sua fábrica no interior do Estado.

O pai do governador, João Agripino da Costa Doria Neto, foi eleito deputado suplente e assumiu uma cadeira na Câmara em 1963. Por ter sido apoiador do então presidente João Goulart, foi colocado na lista de punições do Ato Institucional Nº 1 em 1964, e teve seu mandato cassado. Se exilou em Paris e retornou ao Brasil em 1974.

Mais cedo, o presidente afirmou que pode “contar a verdade” sobre como o pai de Felipe Santa Cruz desapareceu na ditadura militar. “Um dia, se o presidente da OAB quiser saber como é que o pai dele desapareceu no período militar, eu conto pra ele. Ele não vai querer ouvir a verdade”, disse Bolsonaro a jornalistas.

Ligações Externas:

Presidente da OAB foi
candidato a vereador pelo PT

O atual presidente da OAB, Felipe de Santa Cruz Oliveira, foi candidato a vereador do Rio de Janeiro pelo Partido dos Trabalhadores (PT) em 2004.

Felipe usou o número 13121, obteve apenas 3187 votos e não foi eleito.

Isso explica o presidente da OAB defender o fim da Lava Jato, chamar advogados de “filhos da p…” nas redes sociais, ter um escritório que recebeu mais de R$ 1 milhão da Petrobras sem licitação e afirmar que Sergio Moro é “chefe de quadrilha”.

 

O escritório da OAB Nacional, Felipe Santa Cruz, recebeu mais de R$ 1 milhão de um órgão estatal sem licitação. É o que mostram dados obtidos no Portal da Transparência.

O escritório Felipe Santa Cruz Advogados, CNPJ 11.820.663/0001-79, foi contratado sem licitação pelo Serviço Nacional de Processamento de Dados (Serpro), no dia 18 de dezembro de 2014, para prestação de serviços advocatícios perante o TRT-1 e o TST.

Dois meses e meio depois, no dia 04 de março de 2015, o Serpro pagou ao escritório de Felipe Santa Cruz o valor de R$ 300.000,00.

No dia 16 de janeiro de 2018, o Serpro autorizou a liquidação de um segundo empenho, no valor total de R$ 967.421,61. O valor foi pago ao escritório de Felipe Santa Cruz em duas parcelas: uma de R$ 876.000,27 no dia 10 de setembro de 2018 e outra de R$ 91.421,34 no dia 18 de outubro de 2018.

 

 

fonte: Repórter Diário

Deixe uma resposta

WhatsApp chat
%d blogueiros gostam disto: